Em Boca da Mata, o Hospital Municipal de Salvador oferecerá atendimento domiciliar após alta

By on 7 de julho de 2016

Quando estiver funcionando, entre o final de 2017 e o primeiro semestre de 2018, o Hospital Municipal de Salvador, cujas obras começaram oficialmente nesta quarta-feira (6), terá capacidade para fazer mil internamentos por mês – e, consequentemente, conceder mil altas a cada 30 dias. São esses pacientes, depois de receberem alta, que terão um acompanhamento médico domiciliar totalmente gratuito oferecido pelo município.

O atendimento, que será feito por equipes do Saúde da Família, será possível uma vez que o programa é, também, coordenado pelo município. Para o secretário municipal da Saúde de Salvador, José Antônio Rodrigues, o atendimento dentro de casa será um dos diferenciais do primeiro hospital municipal de Salvador.

O prefeito ACM Neto (DEM) e Rodrigues visitaram nesta manhã o terreno onde será construído o hospital, no final de linha de Boca da Mata. A primeira fase das obras, de terraplanagem, já foi concluída. Depois de pronta, a unidade terá 300 leitos – 30 deles de UTI – capacidade para fazer até 60 mil atendimento por mês e um Day Hospital, capaz de fazer pequenas cirurgias, principalmente pediátricas. Os 300 leitos do hospital farão um acréscimo de 5,1% no total de 5,8 mil leitos do SUS oferecidos em toda a capital.

Foto: Marina Silva / CORREIO

Foto: Marina Silva / CORREIO

Especialidades
O Hospital Municipal deverá começar a funcionar com pouco mais de 210 leitos: serão 180 de internação, 30 de observação – 20 adulto e 10 de pediatria –, 30 de UTI – também 20 para adultos e 10 para pediatria – e 12 leitos de recuperação pós-anestésica. A unidade terá consultórios nas áreas de cardiologia, cirurgia-geral, neurologia, cirurgia pediátrica, pediatria, médico-generalista, ortopedia e traumatologia, serviço social e pré-consulta de enfermagem, além de sala de coordenação e de atendimento.

Além do Day Hospital, o Hospital Municipal também terá emergência 24 horas, internação, serviço de bioimagem e exames laboratoriais. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) terá uma base dentro do hospital. De acordo com a Secretaria Municipal da Saúde, a emergência seguirá o chamado Protocolo de Manchester, com definições de atendimento: muito urgente, urgente, pouco urgente e não urgente.

O serviço de bioimagem funcionará 24 horas, com exames de raio-X digital, ultrassom com doppler, ecocardiograma, eletrocardiograma, eletromiograma, eletroencefalograma, tomografia e ressonância. Também haverá, no hospital, um ambulatório, um setor de endoscopia e um centro cirúrgico, composto por duas salas para pequenas operações.

O centro cirúrgico contará ainda com áreas de neurocirurgia, traumaortopedia, cirurgia-geral, indução e recuperação anestésica, seis alas de operação, de apoio e demandas especializadas, além de biópsia de congelação. O hospital terá, por fim, uma área de patologia clínica funcionando 24 horas, com coleta para adultos e crianças, bioquímica, hematologia, parasitologia, urianálise, microbiologia, estoque e compatibilização.

Localização
O primeiro hospital municipal de Salvador funcionará na Via Coletora B, no final de linha de Boca da Mata, próximo ao bairro de Cajazeiras e com acessos pela BR-324 e pela Avenida Paralela. De acordo com o secretário da Saúde, José Antônio Rodrigues, foi proposital a escolha do local, já que a região de Cajazeiras, uma das mais populosas da capital, não possui serviços de atendimento através do SUS.

Foto: Marina Silva / CORREIO

“Cajazeiras tem um atendimento de urgência e emergência muito tímido. Existe uma unidade do estado próximo, um posto de saúde muito pequeno, já bastante superado, acho que Cajazeiras naquela época não tinha um quarto dos habitantes que tem hoje. Nós estamos implantando aqui um serviço de atendimento de urgência de grande porte. Vai ser de porta aberta, vai ter condição de atender a região de Cajazeiras, de Boca da Mata e dessa região mais norte da cidade”, disse o secretário.

A unidade ficará num terreno de 17 mil m² de área, dos quais 12 mil m² serão de área construída. O hospital terá um heliponto, provavelmente na parte de trás, já que há residências na via principal, e será construído de modo a aproveitar o declive do terreno.

Moradora de Boca da Mata, Cristina Soares da Conceição, 39 anos, que está desempregada, disse que o hospital será muito bom para a comunidade. “Faz tempo que a gente espera e vai ser muito bom em termos de saúde. Quando a gente precisa aqui, tem que ir pra Cajazeiras VIII. Mas tem que melhorar tudo aqui, acesso, segurança, tem que resolver o problema de uma encosta que tem aqui na frente”, disse.

3 Comments

  1. Janaina Marques

    8 de julho de 2016 at 07:50

    Olá Portal, sabe me informar como será a contratação dos funcionários? Sou Tencologa em Radiologia e moro em Cajazeitas a mais de 20 anos, quero trabalhar para e com a minha comunidade.

  2. patricia

    7 de julho de 2016 at 13:08

    Queria um emprego nesse hospital de serviços gerais será quer vai ter

    • Redação FC

      7 de julho de 2016 at 14:20

      Ola Patricia
      Acreditamos que o novo Hospital Municipal irá trazer muitos benefícios para Cajazeiras, acompanhe o Portal Fala Cajazeiras (www.falacajazeiras.com.br) e fique informada de tudo

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Powered by themekiller.com anime4online.com animextoon.com apk4phone.com tengag.com moviekillers.com